fbpx

Cinco investimentos que rendem mais que poupança

Com o novo aumento da Selic, veja como fica o retorno financeiro da caderneta e confira alternativas para investir

Da Redação / Foto: Kamiphoto | Freepik

Após a decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) do BC (Banco Central) de elevar mais uma vez a taxa Selic, no dia 27 de outubro, a caderneta de poupança passou a render mais. Apesar disso, a remuneração segue abaixo da inflação, o que implica em perda de poder de compra e faz com que outras aplicações continuem sendo mais atrativas.

O Copom decidiu pelo aumento de 1,5 ponto percentual da Selic, que passou de 6,25% para 7,75% ao ano. A rentabilidade da poupança é atrelada diretamente à taxa e, por isso, as variações despertam o interesse de poupadores e investidores.

De acordo com a regra estabelecida em 2012, quando a Selic está fixada em até 8,5%, a rentabilidade da poupança corresponde a 70% da Selic e mais a TR (taxa referencial), que está em zero desde 2017.

Por isso, apesar da decisão do Copom acarretar o maior rendimento da poupança, como a Selic segue abaixo de 8,5%, a mudança ainda não é tão significativa. Se antes a caderneta rendia 4,38% ao ano, agora passou a render 5,43%.

Alternativas contra perda de rendimento

Considerando que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), inflação oficial do país, está acumulado em 10,25% nos últimos 12 meses, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o rendimento da caderneta de poupança implica em perda para o poupador.

Neste contexto, a orientação de especialistas do mercado financeiro é que, quem tem recursos alocados na poupança, pense na possibilidade de começar a investir. Uma corretora de investimentos pode auxiliar no processo de escolha, que ajuda a definir quais aplicações são mais compatíveis com o interesse do investidor.

IPCA+

Os investimentos que têm o rendimento atrelado à inflação apresentam-se como alternativas para o momento. Dentre as opções de renda fixa está o Tesouro IPCA +, título público que tem a remuneração correspondente à inflação e mais um percentual pré-fixado.

CDB

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) pode ser outra opção com retorno financeiro maior do que a poupança, mas para ter certeza é preciso atenção. A rentabilidade do CDB é atrelada ao CDI, taxa que mantém valores muito próximos à Selic. Dessa forma, considerando que a poupança remunera 70% da Selic, é preciso optar por CDBs que rendem acima de 70% do CDI.

Fundos de inflação, FIIs e ETFs

Na renda variável, os fundos de inflação, os FIIs (fundos de investimentos imobiliários) e os ETFs (fundos de índice) de renda fixa são algumas das alternativas. Nesta modalidade, o investidor tem a oportunidade de obter maior retorno financeiro em comparação com a renda fixa. No entanto, as operações são mais arriscadas.

Em geral, esses fundos têm o rendimento atrelado ao IPCA ou no caso dos FIIs também pode acompanhar o Índice Geral de Preços de Mercado (IGPM). É válido lembrar que, como possuem gestão profissional, há cobrança de taxa de administração.

Como começar a investir

Para ingressar no mundo dos investimentos, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) recomenda buscar informações sobre cada tipo de investimento, avaliar qual é a tolerância que se tem aos riscos e dimensionar o objetivo para investir.

Deixe uma resposta