Casa PodeRosa oferece apoio às mulheres vítimas de violência doméstica

O serviço é um dos que representam adesão da Prefeitura de São Sebastião ao Dia Nacional de Luta contra a Violência à Mulher

Da Redação / Foto: Divulgação

Em São Sebastião, a Casa PodeRosa, vinculada ao CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Social (SEDES), oferece apoio às mulheres vítimas de violência doméstica. Atualmente, a instituição acompanha 86 mulheres que passam por essa situação.

O atendimento é realizado de forma interdisciplinar, por meio de serviços técnicos especializados prestados por Assistente Social, Psicóloga, Enfermeira e Advogado, que presta o atendimento jurídico em parceria com a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Há, também, serviços complementares, como: Patrulha Maria da Penha – acompanhamento de vítimas de agressão e violência doméstica, realizado por equipe treinada da GCM (Guarda Civil Municipal), a mulheres com medidas protetivas encaminhadas pelo Poder Judiciário. Os contatos são feitos por telefone e por meio de visitas às vítimas em horários diversos.

E Botão do pânico – ferramenta oferecida pelo governo municipal, presente no aplicativo Assistência Social São Sebastião SP. Mulheres com medidas protetivas são orientadas a baixar o aplicativo e acionar o botão caso precisem de socorro. O sinal é transmitido ao COI (Centro de Operações Integradas) que envia imediatamente uma viatura da GCM para o atendimento da ocorrência.

As ações da Casa PodeRosa são realizadas em parceria com FSPSS (Fundo Social, Fundação de Saúde Pública), secretarias de Saúde, Segurança Urbana, Desenvolvimento Econômico e Social, Coordenadoria da Mulher, Conselho Municipal dos Direitos da Mulher e 136ª Subseção da OAB de São Sebastião.

Violência contra a mulher

Em 10 de outubro é instituído o Dia Nacional de Luta contra a Violência à Mulher. Isso porque em 1980, em São Paulo, mulheres ocuparam as escadarias do Teatro Municipal para protestar sobre o aumento dos crimes contra elas em todo o país. Infelizmente, esta é uma realidade que ainda choca a população. Nesta data, em especial, pensamos sobre os números da violência contra a mulher no Brasil e o que tem sido feito para combater o problema.

Deixe uma resposta